Escola forma jovens bruxas, mas não ensina a transformar sapo em príncipe

Por iG São Paulo , Natália Eiras | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Por R$ 1876 a cada treze lunações, Casa de Bruxa ensina adolescentes a se tornar feiticeiras com aulas de botânica, astronomia e culinária, em Santo André (SP). “Toda mulher tem um pouco de bruxa”, diz estudante

Fotoarena/Cristina Gallo
Laura, 18, e Larissa, 16, são estudantes da universidade livre de holística

“Mãe, meu chapéu está caindo.” “Quem mandou você não colocá-lo no altar para canalizar a energia dele?” O diálogo poderia ter saído de um livro “Harry Potter”, mas é este o tipo de conversa que você pode ouvir na universidade livre de holística Casa de Bruxa, em Santo André, região metropolitana de São Paulo. Enquanto em “Dezesseis Luas”, que estreia esta sexta-feira (1) no Brasil, a protagonista Lena (Alice Englert) vem de uma família de feiticeiros e é incentivada pelos parentes a estudar magia, adolescentes da vida real também começam a frequentar aulas de bruxaria natural no local por influência dos pais.

LEIA MAIS: Twihards fazem cosplay para ficarem mais próximos de “Crepúsculo”
Amigos de papel, diários sobrevivem mudados na era das redes sociais

Fotoarena/Cristina Gallo
Laura, 18, começou a estudar bruxaria após ler 'As Brumas de Avalon'

Dona de nove gatos, quatro cachorros e três tartarugas, a família da estudante Larissa Miotto, 16, é bastante mística e transpira magia. “Minha mãe é bruxa e meu pai é mestre de reiki”, explica a adolescente.

Siga o Twitter do iGirl

O assunto é tão comum para Larissa que ela nem se lembra quando exatamente começou a se interessar por esta arte. “Eu gosto de bruxaria desde que eu me entendo por gente”, disse. Ela frequenta a Casa de Bruxa desde o primeiro ano de sua vida, mas começou a fazer curso de bruxaria apenas em 2012.

Os pais de Laura Regina de Santana, 18, não são bruxos, mas sua mãe, uma aspirante a feiticeira, sempre a incentivou a procurar algo em que acreditar. “Ela sempre teve uma espiritualidade e queria isso para mim também”, explica a jovem.

O primeiro contato com a bruxaria de Laura aconteceu há oito anos, quando participou de um ritual, mas a vontade de estudar o assunto nasceu da ficção: “Quando eu li o livro ‘As Brumas de Avalon’ eu fiquei encantada.”

Laura, 18, e Larissa, 16, estudam bruxaria natural na Casa de Bruxa, na região metropolitana de São Paulo. Foto: Fotoarena/Cristina GalloAs meninas fazem um ritual usando o altar da bruxa. "Ele é como se fosse a vida de uma bruxa", explica Laura. Foto: Fotoarena/Cristina GalloÉ ali que elas agradecem às deusas e fazem pedidos de amor, prosperidade e purificação. Foto: Fotoarena/Cristina GalloO círculo de bruxas está presente em tudo que é ritual de feiticeiras. Foto: Fotoarena/Cristina GalloNa ficção, o caldeirão é usado para fazer poções. Na vida real, é nele que os bruxos fazem pedidos e agradecem . Foto: Fotoarena/Cristina GalloNo fim de toda celebração, eles fazem um círculo de bruxos. Foto: Fotoarena/Cristina GalloNo curso de bruxaria natural, as meninas aprendem sobre a história da religião e, até mesmo, a cozinhar. Foto: Fotoarena/Cristina GalloEnquanto Laura foi incentivada pela mãe que não é bruxa, Larissa vem de uma família de magos. Foto: Fotoarena/Cristina GalloLaura vai ser iniciada em novembro deste ano, enquanto Larissa ainda está no meio do curso. Foto: Fotoarena/Cristina Gallo'Quando eu li 'As Brumas de Avalon' eu descobri o que queria', explica Laura. Foto: Fotoarena/Cristina GalloAs varinhas mágicas podem ser compradas em lojas ou serem feitas pelas bruxas com um galho de árvore. Foto: Fotoarena/Cristina Gallo'A bruxaria te dá mais contato com a natureza', explica Laura. Foto: Fotoarena/Cristina Gallo'As pessoas falam que bruxaria é coisa do mal porque não tem conhecimento', diz Larissa. Foto: Fotoarena/Cristina Gallo'As pessoas acham que vamos transformá-las em sapo', brinca Laura. Foto: Fotoarena/Cristina GalloAs duas garotas não têm vergonha de dizerem que são bruxas e deixam isto claro em suas páginas do Facebook. Foto: Fotoarena/Cristina GalloAs garotas celebram as passagens das luas. Foto: Fotoarena/Cristina GalloDe acordo com as meninas, os pés descalços é para ficarem mais próximas da natureza. Foto: Fotoarena/Cristina GalloLarissa e sua mãe, Adriana Miotto, que é uma bruxa solitária, ou seja, aprendeu tudo sozinha. Foto: Fotoarena/Cristina Gallo

Ao contrário do que pensam, uma bruxa não aprende magias como levitar objetos, ficar invisíveis e, infelizmente para todas nós, transformar sapo em príncipe. Elas não podem nem mesmo enfeitiçar o gatinho da escola. “Quando a gente faz um pedido, a gente nunca coloca o nome da pessoa”, explica Larissa. “Nós sempre mentalizamos as características de nosso par perfeito”, arremata Laura. Depois disso é só esperar.

“As pessoas acham que vamos transformá-las em sapo”

Em “Dezesseis Luas”, Lena é invocada pela Lua para o caminho do bem ou do mal. Na vida real, elas garantem: os conhecimentos são usados apenas para coisas boas. “Há pessoas que fazem coisas ruins, mas a maldade está nelas e não na bruxaria”, explica Larissa.

E MAIS: Loucos por famosos: vale tudo para conhecer um ídolo de perto

De acordo com as adolescentes, a falta de conhecimento sobre a filosofia as transforma em alvos de algumas brincadeiras nem sempre tão ingênuas.

Fotoarena/Cristina Gallo
As bruxas costumam fazer celebrações como a para a Lua Cheia, que acontece todo mês

“Quando ficam sabendo que sou bruxa, os meninos começam a falar: ‘Nossa, sai daqui. Amarrado em nome de Jesus’”, diz Larissa. “Já me perguntaram se eu faço um pacto com o demônio, se eu ofereço coisas para ele”. “As pessoas acham que vamos transformá-las em sapo”, complementa Laura.

Curta a página do iGirl no Facebook

Este tipo de abordagem não as impede, no entanto, de continuar a fazer feitiços e de dar conta de uma de suas obrigações de feiticeira: cuidar de seu altar de bruxa. “Ele é meio como se fosse a nossa vida, então, quando você o organiza, é como se arrumasse ela também”, explica a estudante de história.

Assim como manda o “figurino”, as estudantes da Casa de Bruxa de fato usam capa, caldeirão, varinha mágica e chapéu. Mas esses acessórios são obrigatórios apenas em rituais especiais, como a Celebração da Lua Cheia, comemorada na última segunda-feira (25). Já na rotina normal, elas podem até ser confundidas com “trouxas”, como são chamados os cidadãos comuns nos livros “Harry Potter”.

Fotoarena/Cristina Gallo
Larissa e a mãe, Adriana, que também é uma bruxa. 'Eu quero ser bruxa desde que me entendo por gente', disse a menina

O curso de bruxaria natural da Casa de Bruxa dura dois anos e custa R$ 1876 por módulo, que dura treze lunações. Por lá, os alunos tem aulas de botânica, astronomia e até culinária. O jovem só pode frequentar as aulas se tiver a autorização dos pais. 

Laura Regina de Santana deve terminar os estudos em setembro deste ano, quando será iniciada e receberá o seu nome mágico. “Mas ele ficará apenas entre mim e minha professora”, explica.

No entanto, de acordo com Larissa, não é preciso fazer este tipo de curso para se tornar uma feiticeira também. “Eu acredito que toda mulher tem um pouco de bruxa”, brinca. Segundo as jovens feiticeiras, as pessoas comuns fazem alguns rituais mágicos em pequenos costumes inocentes. “Comer sete sementes de romãs no Ano Novo, por exemplo, é coisa de bruxa”, diz Laura. Ou seja, todos nós somos feiticeiros e nem sabíamos disso.

Agradecimento: Casa de Bruxa - R. das Figueiras, 2146 - Santo André. Tel. (11) 4994-4327

CONTINUE LENDO: Estraguei meu namoro! E agora?
Perdoar ou não uma traição?

Leia tudo sobre: dezesseis luasbruxasbruxariaharry potterescola

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas